Página Inicial / Clássicos / Maverick – O surgimento e a consagração nos anos 70

Maverick – O surgimento e a consagração nos anos 70

A história do Maverick começa nos Estados Unidos, na década de 1960, quando a Ford Motor Company iniciou o projeto de um carro mais compacto, prático, suficientemente econômico e barato para concorrer com os automóveis europeus que estavam invadindo a América do Norte.

Nesse momento da história, os americanos começavam a se render aos carros mais compactos, e seus grandes veículos, com motores potentes, muitos cromados e outras características começaram a sofrem influência do mercado europeu.

Para o design desse novo carro, foram tomados como base quatro modelos já existente na companhia: Thunderbird, Falcon, Fairlane e Mustang.

*Todo conteúdo desta página faz parte do e-Book “Maverick – Potência e História”. Você pode baixar o conteúdo completo, gratuitamente, clicando aqui.

O começo do Maverick

O desenvolvimento como um todo do carro foi rápido. Em 1966 já tinham feito o protótipo em tamanho real. Em 1968 escolheram o nome e o logotipo. Existem 3 versões para o nome do carro ser Maverick:

1 – A primeira delas, fala sobre a homenagem feita à Samuel Augustus Maverick, herói na Guerra da Independência norte americana.

2 – Na segunda, o nome seria referência a uma raça de gado.

3 – A terceira teria o significado de “rês desgarrada”, simbolizando algo “jovem que segue seu caminho”.

A logomarca definida era forte e imponente.

Em 1969, mais precisamente 17 de abril daquele ano, o Maverick foi concebido e produzido pela primeira vez na fábrica de Kansas City (estado do Missouri).

maverick 69
Maverick 1969

Chegada do Maverick ao mercado

O Maverick chegou ao mercado com 3 opções de motores, todos 6 cilindros:

  • 144 polegadas cúbicas de tamanho e 105 CV (logo retirado de linha)
  • 170 polegadas cúbicas de tamanho e 105 CV
  • 200 polegadas cúbicas de tamanho e 120 CV (de rendimento bruto)

Nessa época, o carro chegou ao mercado com preço bem convidativo, custando 1995,00 dólares.

O câmbio era composto por três marchas à frente e uma de ré, com alavanca de acionamento na coluna de direção, sendo opcional sua instalação no assoalho, e podia ser manual ou, apenas no caso do modelo 170, automático. Os pneus e rodas eram disponíveis nas opções 6×13 e 6,45×14. Sendo que as rodas aro 13 também logo foram retiradas de linha.

Para as suspensões, na dianteira utilizou-se a do Mustang e na traseira as do Falcon e Fairlane. Além disso, o freio era a tambor nas quatro rodas. Os primeiros veículos são muito raros já que a linha de 69 foi descontinuada ainda naquele ano, dando lugar a produção dos modelos 1970.

A Década de Ouro do Maverick

Entre 1970 e 1979 o Ford Maverick acumulou vendas de cerca de 2,5 milhões de unidades. Os 4 primeiros anos foram os melhores. Logo nos anos 70, o carro era novidade e se tornou objeto de desejo devido à eficiente campanha de marketing realizada antes e após seu lançamento.

Já em 74, o modelo sofreu importantes mudanças, as quais deram novo gás às vendas. Algumas das principais modificações nesses primeiros anos foram:

1970

  • Novo motor 6 cilindros, de 250 polegadas e 145CV
  • Novo motor V-8, 302 polegadas e 199CV (o mais famoso motor do Maverick, algumas fontes chegam a dizer que chegava a 210CV).

1971

  • Versão alongada, sedan com 18cm a mais
  • Versão esportiva (Grabber), com detalhes únicos de acabamento e decoração do interior
  • Lançamento pela Mercury, divisão de luxo da Ford, do Comet.
  • Exclusão da roda aro 13.
  • Os preços nessa época: cupê – 2175,00, sedã – 2235,00, Grabber – 2354,00

1972

  • Versão Sprint, com faixas decorativas externas e estofamento e painel com combinação de corres.
  • Lançamento da versão LDO (Luxury Decor Optional), versão de luxo do Maverick.

1973

  • O motor 170 saiu de linha, permanecendo os motores 200, 250 e 302 V-8.
  • Pneus Wide-oval, que fizeram muito sucesso no Brasil.

1974

  • Inclusão de novos para-choques.

* Devido a mudança na legislação americana de segurança de trânsito, os veículos deveriam incluir grandes para-choques retráteis para minimizar impacto em pedestres no caso de acidentes. Esses para-choques acabavam destoando das linhas harmônicas do carro.

1975 

  • O Mercury Comet teve redução de 60% na produção.
  • O Comet GT foi descontinuado
  • O Maverick versão Grabber também.

1976

  • Lançamento da versão Stallion (garanhão), a qual acabou não sendo bem sucedida comercialmente na época, mas se tornou um modelo muito cobiçado pelos colecionadores hoje em dia.

1977

  • Foi o ano de descontinuação da linha Maverick, após 8 anos de produção e mais 2 milhões de veículos vendidos.
Acompanhe a Automotiva no Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *